Cruzeiro do Sul: a cabocla do extremo Acre

⦾≈ We spent a week in Cruzeiro do Sul, in the western side of Acre. We came to check the city of cassava flour, which is also famous for its rivers of dark waters, as the Igarapé Preto and Crôa River.


Cruzeiro do Sul. Em nosso imaginário uma pessoa, a típica cabocla acreana, das bandas do Vale do Juruá. Os longos cabelos negros são suas águas escuras, do Igarapé Preto ao Rio Crôa, onde flutuam alfaces d’água e vitórias-régias. Enfeites da mais natural beleza.

Pronta, lá vai ela logo cedo. Ganha vida e o sustento da família na farinha de mandioca, produto que faz fama nesse extremo-oeste brasileiro e carrega o porte de melhor do país. Assim, nos cinco mercados municipais da cidade, a cabocla passa a anunciar o beiju e a tapioca, a farinha de côco e o biscoito de goma.

Desce morro, sobe morro. As ladeiras da cidade são as curvas da morena. Ladeira da Ramela, Ladeira do Bode e Ladeira do Cais. Ao Morro da Glória descansar. Curar o calor desse lugar com sorvete de patauá (fruta que lembra o açaí)

No passeio, vai conhecer a arte em que a floresta empresta as cores e ganha as formas da marchetaria. Num encaixe perfeito sem tinta alguma, apenas o pigmento natural de troncos, caules e raízes. Quem faz de Cruzeiro referência nessa arte é Maqueson Silva, que já teve o trabalho delegado tanto por estilistas quanto por militares e governantes.

Assim, se Cruzeiro do Sul fosse uma pessoa, seria essa cabocla. Mas, ela precisa de mais carinho, mais cuidado. Anda abandonada, mal tratada. Quem logo chega já sente o descaso, dado sem juízo à moça do Juruá.

Que a cabocla da Terra dos Náuas (que de Náuas só o nome, dada à extinção desse povo) tenha punho para não deixarem levar o belo que ainda há; desses rios, dessa mata, dessa gente da floresta.

Maqueson Silva

Queremos agradecer a Secretaria de Estado de Turismo e Lazer (Setul) do Acre por acreditar no nosso trabalho e apoiar a nossa vinda a Cruzeiro do Sul. Pelos dias na cidade, sentimos profunda gratidão à Polyanne, que conheceu o blog quando ainda estávamos em Rio Branco e, desde então, nos ofereceu ajuda e assim o fez. Somos felizes pela prontidão, companhia e almoços. Agradecemos também o Sr. Walderli, que abriu as portas do Nosso Hotel e fez desse lugar a nossa casa e também pela disposição de nos levar às venturas do Rio Crôa. Somos gratos ao Narcélio, do Centro Cultural Juruá, por nos apresentar a cidade e o trabalho de marchetaria do Maqueson. 

Anúncios

7 comentários sobre “Cruzeiro do Sul: a cabocla do extremo Acre

  1. Ainnnn tem como não amar vocês!! Fazem tão bem o retrato dos lugares!! Viram que encanto é a machetaria?! Eu sou apaixonada por essa arte e nem tivemos tempo de conversar sobre a cidade, mas vejo que mais uma vez vcs foram bem recebidos pela nossa gente!! Xeru grande meninos! Saudades de vcs!

    Curtir

  2. Belíssimo trabalho. Obrigado por divulgarem o Acre e a nossa Amazônia! Sigam em frente, boa sorte e sucesso. (Narcélio Flávio Generoso – Museu da Justiça – Cruzeiro do Sul)

    Curtir

  3. Ah seus lindos, como sempre vcs arrasam! Sabem descrever essa terra linda melhor que ninguém, qualquer acreano se vê nesses textos ❤
    Grande abraço

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s